sábado, 30 de abril de 2011

eu insana

eu rio
do riso
do frouxo riso
dos imortais
e rio ainda mais

do riso que engole a flor

e quanto mais rio,
maior a minha gula!
mais este roxo-frouxo-riso me estrangula!

15 comentários:

  1. O riso de Mona Lisa seria, talvez, uma "risura", isto é, um esboço de alegria num semblante em reticências?

    Que aos borbotões farfalem pétalas risonhas!

    ResponderExcluir
  2. Não pude me furtar!!!

    o código que tive que digitar para o comentário acima foi: (você não vai acreditar!)

    RISME!!!!!

    hauhauhauauhuauah!

    Essa internet tá rindo da minha cara, hein!

    ResponderExcluir
  3. Estupendo poema, Lázara Papandrea, que havia já lido e creio que comentado, num outro blog teu.
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  4. Lindo!!! Tá de casinha nova, minha amiga? Surpresa boa!!! Como vai? E as "crianças"? Assim que eu marcar o lançamento do livrinho, eu aviso a você, ok? Obrigada pelo carinho...(não esqueça de me avisar sobre o próximo encontro do Café com Poesia)... beijo, LÜ

    ResponderExcluir
  5. descendo o rio
    meu sorriso embarca
    em teu poema-flor

    seja o que for
    seja pedra
    seja fio d'água

    o riso será nada
    se não abrirmos a boca
    de onde ouço a queda
    estrangulada

    o rio é riso
    o sorriso é isso
    - é tua poesia...

    ResponderExcluir
  6. Lazara

    A tua poesia encanta muito.
    Não fique por aí.
    Seu roxo-frouxo riso é um show como disse Kadu Mauad

    Bjs

    ResponderExcluir
  7. gostei ... vou acompanhar mais de perto!

    ResponderExcluir
  8. Quero lhe agradecer por ter visitado meu blog e ter postado comentários, que fizeram-me crescer nesta árdua vereda das letra. Quero diante mãos desejar-lhe um feliz natal, repleto de luz e sapiência, que papai do céu venha mais e mais iluminar essa mente sã, pra no ano vindouro sejamos presenteados por textos magistrais. FELIZ NATAL

    ResponderExcluir
  9. O poema vai fundo no riso
    e acaba tornando-se uma sátira
    num belo poema, ritmico e harmônico
    porque tem som, sabor de uma música suave
    mais no fundo é belo e trágico
    e é o que surpreende!

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
  10. Que lindo seu blog novo!O poema... nem se fala... Bj carinhoso.

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. .


    Emagrecer o corpo e
    não a estima. Ser fe-
    liz do jeito que so-
    mos e deixar nos ou-
    tros a certeza des-
    sa felicidade.

    Pelo menos deveria as-
    sim...

    silviofoso






    .

    ResponderExcluir